Polímeros

Todas as embalagens da Tetra Pak têm uma fina camada de polímero ou plástico para impedir a entrada ou saída de umidade e manter o produto seguro dentro da embalagem. Essa camada também é usada em nossas tampas, fechamentos e canudos.

Um histórico de inovação com polímeros

Em 2011, lançamos as primeiras tampas do setor feitas de polímeros de fontes renováveis. Derivadas do etanol de cana-de-açúcar brasileiro, elas têm exatamente a mesma aparência das tampas convencionais, mas apresentam uma pegada de carbono consideravelmente menor. Nos locais em que as tampas de fontes renováveis estiverem disponíveis, os clientes poderão trocar a opção atual sem nenhum investimento adicional ou modificações nas máquinas de envase. A reciclabilidade não é afetada, já que os novos materiais são processados juntamente com polímeros convencionais sem restrições. Atualmente, podemos oferecer tampas de fontes renováveis para todos os formatos de embalagem avançados.

Em 2014, lançamos a primeira embalagem totalmente renovável do mundo para alimentos líquidos, o Tetra Rex® Bio-Based, feito com tampa, gargalo e película de base biológica. Até o início de 2018, fornecemos mais de meio bilhão de embalagens totalmente renováveis.

Em 2016, também lançamos a Tetra Brik® Aseptic 1000 Edge com LightCap™ 30 de fontes renováveis. Ela é a primeira embalagem asséptica a ter a tampa e o filme feitos de plástico à base de cana de açúcar. Combinados com o papel-cartão, isso aumenta a porcentagem de materiais de fontes renováveis na embalagem para mais de 80%, o limite para a certificação de quatro estrelas da empresa de testes TÜV Austria.

No início de 2018, firmamos o compromisso de apoiar a estratégia para o setor de plásticos da União Europeia, uma parte importante do Plano de Ação Europeu, que visa a economia circular. Isso nos compromete a aumentar substancialmente o uso de plásticos fabricados a partir de matérias-primas renováveis e a usar plásticos reciclados, uma vez que sejam validados como seguros e sejam legalmente aceitáveis para uso como material de contato com alimentos.

Em março de 2019, ingressamos na iniciativa Nova Economia Global de Plásticos da Ellen MacArthur Foundation. Como parte dessa iniciativa, em julho de 2019, nos tornamos a primeira empresa de embalagens cartonada a lançar canudos de papel na Europa. Esperamos expandir a produção para atender à demanda global até 2025.

Membro certificado da Bonsucro

Em outubro de 2019, nos tornamos a primeira empresa do nosso setor a obter a certificação Bonsucro de Cadeia de Custódia. Isso reforça o Programa de Fornecimento de Etanol Responsável de nosso fornecedor de longo prazo Braskem, com rastreabilidade de toda a cadeia de valor da cana de açúcar, desde os produtores até as usinas. Todos os nossos produtos feitos de polímeros de base biológica serão entregues aos clientes com a certificação Bonsucro a partir de março de 2020.

O Código de certificação da Tetra Pak é BONS-C-0119, e uma cópia do certificado pode ser baixada aqui .

Atualmente, usamos os mesmos requisitos de fornecimento responsável para nossos polímeros de base biológica que usamos em todas as nossas categorias de compra.

Olhando para o futuro

Ainda falta muito para que os polímeros de fontes renováveis se popularizem. Particularmente, levamos em conta o custo social desses polímeros, como a maneira em que a disponibilidade local de alimentos e as condições de trabalho são afetadas. Apesar do progresso considerável, polímeros de fontes renováveis ainda são um produto de nicho para a indústria de plásticos, e constituem uma pequena fração das nossas embalagens cartonadas atualmente. Mantemos o nosso compromisso de expandir o uso desses polímeros para mais embalagens, de todos os tamanhos. 

Estamos trabalhando com parceiros para explorar ainda mais essas questões, enquanto continuamos avaliando alternativas como outros materiais de base biológica, resíduos orgânicos e algas. Nossa ambição a longo prazo é que todas as nossas embalagens refrigeradas e ambientais usem polímeros renováveis e/ou reciclados, sem a necessidade de extração adicional do estoque de alimentos fósseis.

Descubra mais sobre como usamos polímeros