Polímeros

As embalagens da Tetra Pak são feitas principalmente de papel-cartão de origem responsável. No entanto, também vemos como nossa responsabilidade abordar a questão dos plásticos, já que os polímeros são usados em nossas embalagens em camadas de proteção, tampas, fechamentos e canudos.

Polímeros de fontes renováveis

As embalagens da Tetra Pak têm uma fina camada de polímero ou plástico para impedir a entrada ou saída de umidade e manter o produto seguro dentro da embalagem. Essa camada também está presente em nossas tampas, fechamentos e canudos. Nossa ambição de longo prazo é que todas as nossas embalagens refrigeradas e em temperatura ambiente usem polímeros renováveis e/ou reciclados, sem a necessidade de extração adicional do estoque de combustível fóssil.

No entanto, há muito trabalho a ser feito até que os polímeros renováveis substituam totalmente os polímeros tradicionais baseados em combustíveis fósseis, já que a indústria para convertê-los ainda é embrionária. Atualmente, usamos os mesmos requisitos de fornecimento responsável para nossos polímeros de base vegetal que usamos em todas as nossas categorias de compra.

Além disso, o nosso fornecedor de polímeros de base vegetal está trabalhando com a ProForest, líder mundial no apoio ao gerenciamento sustentável e fornecimento de recursos naturais. Nosso fornecedor também está estabelecendo uma Cadeia de Custódia da Bonsucro, desde a plantação de cana-de-açúcar até suas instalações de produção de polietileno renovável. Em 2018, 60% do bioetanol usado para o nosso polietileno renovável foi obtido com a Certificação Bonsucro.

Nossa história e desenvolvimento com polímeros

Em 2011, lançamos as primeiras tampas do setor feitas de polímeros de fontes renováveis. Derivadas do etanol de cana-de-açúcar brasileiro, elas têm exatamente a mesma aparência das tampas convencionais, mas apresentam uma pegada de carbono consideravelmente menor. Nos locais em que as tampas de fontes renováveis estiverem disponíveis, os clientes poderão trocar a opção atual sem nenhum investimento adicional ou modificações nas máquinas de envase. A reciclabilidade não é afetada, já que os novos materiais são processados juntamente com polímeros convencionais sem restrições. Atualmente, podemos oferecer tampas de fontes renováveis para todos os formatos de embalagem avançados.

Em 2014, tínhamos criado a primeira embalagem cartonada totalmente renovável para alimentos líquidos do mundo, a Tetra Rex® Bio-Based, feita com tampa, corpo e filme de fontes renováveis. Até o início de 2018, fornecemos mais de meio bilhão de embalagens totalmente renováveis para atender à demanda dos clientes. Em 2016, também lançamos a Tetra Brik® Aseptic 1000 Edge com LightCap™ 30 de fontes renováveis. Ela é a primeira embalagem asséptica a ter a tampa e o filme feitos de plástico à base de cana de açúcar. Combinados com o papel-cartão, isso aumenta a porcentagem de materiais de fontes renováveis na embalagem para mais de 80%, o limite para a certificação de quatro estrelas da empresa de testes TÜV Austria.

Polímeros de fontes renováveis em números

• Até o início de 2018, fornecemos mais de meio bilhão de embalagens Tetra Rex de fontes totalmente renováveis para atender à demanda dos clientes (em comparação com 100 milhões em 2016).
• Entre 2014 e 2017, fornecemos 55,1 bilhões de embalagens com revestimento de polímeros de fontes renováveis
• Em 2018, 11% do total de tampas vendidas eram de fontes renováveis


No início de 2018, firmamos o compromisso de a apoiar a estratégia para o setor de plásticos da União Europeia, uma parte importante do Plano de ação europeu, que visa a economia circular. O compromisso tem três partes, e as partes dois e três são relevantes aqui: A Tetra Pak aumentará substancialmente o uso de plásticos feitos a partir de insumos renováveis e usará plásticos reciclados uma vez validados como seguros e legalmente aceitos para uso como material de contato com alimentos. ​

Em março de 2019, assinamos o Compromisso Global por uma Nova Economia do Plástico da Ellen MacArthur Foundation. Uma de nossas promessas era trabalhar com parceiros para aumentar a reciclagem do PolyAl, uma mistura de polímeros e alumínio que constituem os componentes não fibrosos de uma embalagem cartonada para bebidas. ​

Desafios e oportunidades

Ainda falta muito para que os polímeros de fontes renováveis se popularizem. Particularmente, levamos em conta o custo social desses polímeros, como a maneira em que a disponibilidade local de alimentos e as condições de trabalho são afetadas. Apesar do progresso considerável, polímeros de fontes renováveis ainda são um produto de nicho para a indústria de plásticos, e constituem uma pequena fração das nossas embalagens cartonadas atualmente. Mantemos o nosso compromisso de expandir o uso desses polímeros para mais embalagens, de todos os tamanhos. 

Estamos trabalhando com parceiros para explorar ainda mais essas questões e, ao mesmo tempo, avaliando alternativas como outros materiais à base de plantas, resíduos orgânicos e algas. Por exemplo, fizemos um acordo com a Braskem, a maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, e agora usamos polietileno de baixa densidade derivado de cana-de-açúcar de origem sustentável para fazer o revestimento de todas as nossas embalagens produzidas no Brasil. Como parte do nosso acordo, um Código de Conduta orienta o fornecimento da Braskem, incluindo critérios sociais e ambientais. A Braskem tem o compromisso de, até 2020, ser capaz de certificar 100% do bio-etanol usado no nosso biopolímero de acordo com os padrões da Bonsucro (em comparação com aproximadamente 40% em 2017).

Descubra mais sobre como usamos polímeros